Live Evil
FLESHGOD APOCALYPSE / SEPTICFLESH (SP)
Live Evil
IAN ANDERSON - Teatro Bradesco (SP)
Live Evil
ROCK NA PRAÇA 5 (SP)
Live Evil
FENRIR’S SCAR - Campinas/SP
Live Evil
TIM "RIPPER" OWENS - Gillan’s Inn (SP)
Live Evil
SUFFOCATION - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
GUARU METAL FEST - Heavy Day
Live Evil
ROCK NA PRAÇA 4.9 (SP)
Live Evil
GUARU METAL FEST - Extreme Day
Live Evil
GANGRENA GASOSA - SESC Belenzinho (SP)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
19 de Outubro 2017
RSS

10/09/2017
12:15 Live Evil



ATAQUE EXTREMO
Deathgeist, Orthros, Inside War e Odium Hominum
Estúdio MEA - São Caetano do Sul/SP
08 de setembro de 2017
Texto e Fotos: João Messias Jr.
 
Há vinte anos, precisamente em 1997, um bando de garotos não tinha a ideia do barulho que fariam na cena underground no futuro. Esses ‘kids’ eram o Bywar, que soltou nesse longínquo ano a demo "The Evil’s Attack", um prato cheio para os fãs daquele speed/thrash germânico de Kreator e Destruction. Foram quatro álbuns de estúdio, shows com grupos nacionais e internacionais, mudanças de formação até que em 2011 veio a notícia de que encerrariam as atividades. Desde então, seus membros seguem na cena em bandas como Warbound e Timor Trail. Porém, é o recém-formado Deathgeist que fez as coisas estremecerem. Os ex-Bywar Adriano Perfetto (vocal e guitarra) e Victor Regep (guitarra) estão juntos como Mauricio “Cliff” Bertoni (baixo, ex-Mystic e Voiden) e Goro (bateria, Prepared to Kill), time que chegou ao ABC para saciar os fãs de thrash metal. O evento ocorreu na sexta-feira (08) no Estúdio MEA, em São Caetano do Sul (SP), que tem tudo para ser mais uma boa opção para eventos desse porte.


 
Não foi possível conferir a apresentação do Odium Hominum. Quando cheguei ao local, à meia noite, o Inside War começava seu set. Danilo Luna (vocal), Gabriel Dias (guitarra), Gustavo Saiz (baixo) e Danilo L. (bateria) mandaram uma mescla de death e thrash metal, que tem como destaque a brutalidade e os criativos riffs e solos de guitarra. Os pontos altos foram "Amargo do Ódio", "Blood Mass" e "Thrash or be Thrashed", que começa visceral e ganha passagens mega trampadas até voltar ao clima extremo.


 
Curiosamente, o próximo a entrar no palco foi o Deathgeist. Com o espaço cheio, à 1h da matina, Adriano, Victor, Mauricio e Goro extasiaram os fãs com a clássica "Thrashers Return", do Bywar, ovacionada pelos presentes. Do saudoso grupo foram executadas "The Twin of Icon" e "Heretic Signs". Claro, foi bacana recordar um período vitorioso, mas o grupo apresentou algumas composições que farão parte do primeiro álbum, prometido para o mês de novembro. Apesar de beberem no metal oitentista, as músicas não soam como uma banda da época. Como o groove e as passagens mais cadenciadas de "Day of No Tomorrow" e "Where Evil Rules", além do refrão grudento de "Thrash Metal Fire", que mesmo com alguns erros aqui e ali, passaram bem o recado. Afora isso, destaque para a postura do grupo, que se movimenta bastante no palco, em especial o baixista que, em vários momentos, foi "pra galera" com seu instrumento. Está aí uma banda que tem tudo para cair no gosto dos fãs de Blackning, Woslom, MX e Violator.


 
Infelizmente, o público debandou após o show do Deathgeist e a galera do Orthros tocou para um reduzido número de pessoas. Mas, Crisaor (baixo e vocal), MorbiDoom (guitarra) e Hephastus (bateria) tocaram por cerca de uma hora mostrando sons autorais e covers como "Black Metal" (Venom), assim dando por encerrar mais uma edição do Ataque Extremo. Apesar da oscilação de público entre as apresentações, o saldo foi positivo, mesmo que ainda os rolês de som mais segregado, especialmente no ABC, sejam sempre compostos das mesmas pessoas. Por um lado é legal por mostrar a longevidade e a fidelidade que a música transmite ao seu público, mas me questiono quando esses "camisas pretas" tiverem de fazer outras coisas na vida além dos shows. Fica a reflexão.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768