Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
18 de Dezembro 2017
RSS

02/09/2017
10:51 Live Evil



TORTURE SQUAD
Berlinda Club - Fortaleza (CE)
31 de agosto de 2017
Por Jean Carlo / Fotos: Rubens Rodrigues
 
Para falar em turnê de metal nacional no cenário atual, temos antes de mais nada, reconhecer o trabalho que bandas como estas que tocaram no Berlinda Club, estão fazendo pelo país: sensacional! Os quatro grupos: Warcused, Reckoning Hour, Hatefullmurder e Torture Squad estão levando qualidade sonora realmente digna de respeito nacional e internacional, como muitas outras que já representaram o país ao tocar em lugares como a Europa e EUA.


 
O evento teve, no máximo, quinze minutos de atraso, o que é tolerável, começando com o Warcursed tocando seu veloz e agressivo death/thrash metal. Com um vocal gutural, mas pouco definido, Richard Senko, como 'frontman', representa muito a banda além de solar também ao lado de Eduardo Victor. Na batera Marsell Senko foi bastante técnico e destrutivo na execução das músicas. De fato, uma banda surpreendente na noite. Eles estavam bastante agradecidos com a presença do público, que compareceu em bom número, apesar de ter sido realizado numa quinta-feira.


 
A sequência ficou por conta da Reckoning Hour, essa banda guiada por J.P. nos vocais trouxe bastante peso cadenciado à noite. Apesar de notória pegada thrash na banda, Johnny King na bateria bem equalizada através dos 'samples,' também acompanha as alternâncias de vocais guturais e limpos de J.P. com o auxílio de Philip como backing vocal (este que tem qualidade imprescindível na guitarra), o que caracteriza a banda com um toque metalcore, mas bem objetivo. Todos bem sincronizados, trouxeram bastante peso à noite tanto na harmonia quanto nas letras reflexivas e pessoais, como disse o vocalista.


 
Mas não há como negar: a noite era das mulheres. Duas 'frontgirls', fecharam a noite com chave de ouro. Angélica Burns da Hatefullmurder era bastante esperada, assim como a principal banda da noite Torture Squad, que trazia Mayara Puertas no vocal. O público já estava à beira do palco esperando o inicío das apresentações. Hateffullmurder conta com Thómas Martin na bateria, bem violenta, mas acertada e com um set bem simples no que se refere à quantidade de tons e pratos, somente o que precisa, mas sem pena de utilizá-la devidamente, haja pulso! Angélica foi bem carismática com o público, apesar de um vocal ameaçador e muito bem definido, ela esteve bem próximo às pessoas à beira do palco.
 
A  banda conta também com Felipe Modesto no baixo, instrumento que toca fielmente, e faz backing vocal bem definido e bastante presente nas músicas. A guitarra bem expressiva e precisa, equalizada dignamente e com destaques pontuais ficou por conta do Renan Campos. A banda é agressividade pura, o show em si é impactante. Trazendo faixas do seu novo álbum “Red Eyes”, que tem como single a música de mesmo nome, a banda chamou atenção pela presença de palco e propriedade musical.


 
A principal atração, Torture Squad, honrou mais uma vez o seu nome e sua música. Ainda com Castor no baixo e Amilcar Christófaro na bateria, como representantes mais antigos, e os mais novos Rene Simionato na guitarra e Mayara Puertas no vocal, a banda mostrou o seu valor reconhecido pelo Brasil e pelo mundo, digno de um death metal 'old school' avassalador. O set monstruoso de bateria formado por seus onze pratos – se é que é preciso falar de Amilcar, que utiliza todos os elementos do seu instrumento –, levou cerca de 35 minutos para montá-lo no palco.



Uma vez pronto, rigorosamente executou as “desolações” do setlist como “Return of Evil“ e “Dreadful Lies” num repertório que contou com dez músicas ao todo. Rene, impecável na guitarra, mostrava qualidade didática e destruidora em riffs e solos com fantásticas execuções. No vocal, Mayara Puertas, apesar de um problema técnico inicial no microfone, logo começou a instigar o público com seu vocal imponente, gutural e rasgado. A banda bem sintonizada fez uma performance sensacional, digna de 'headliner' como já é acostumada, pois levou o público à insanidade.


 
A noite terminou com grande satisfação estampada no rosto das pessoas, e com sentimento de gratidão das pessoas a produtoras dedicadas, como é o caso da Empire que, a cada ano, traz à capital cearense surpresas e revelações do metal nacional e internacional. O público cearense, claro, só tem a agradecer.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768