Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
STEVE ROTHERY - Rio de Janeiro/RJ
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
18 de Dezembro 2017
RSS

15/07/2017
18:42 Live Evil



VITAL REMAINS
Abertura: COLDBLOOD / JUSTABELI / NERVOCHAOS /
Clash Club - São Paulo/SP
13 de julho de 2017
Por Valtemir Amler / Fotos: Pedro Leandro

Ah, 13 de julho! Aquele dia em que a grande mídia finge que gosta de nós e nos apoia, e que, sabe lá por qual motivo, resolve que deve nos ‘homenagear’ com tributos que geram mais constrangimento do que orgulho... Mas, enfim, não é só de tributos bizarros que vive o famigerado "Dia Mundial do Rock". Na verdade, para aqueles que vivem ou que visitavam São Paulo nesta quinta-feira agradável, não faltaram boas e saudáveis atrações rockeiras na cidade. Para aqueles que curtem o lado dos ‘metais pesados’ na tabela periódica, o evento do Clash Club era o mais indicado, e por que não dizer, obrigatório. Afinal, era a chance de conferir três bandas nacionais seminais, além de mais um grande nome da cena mundial do death metal.


 
Claro que não podíamos começar sem um pequeno percalço. O Dia Mundial do Rock é bacana, é legal, pois costumam rolar alguns shows, mas, como sabemos, não é feriado. E era quinta-feira. E os shows começavam às 19h. Assim, atravessar a capital paulista se mostrou um desafio difícil de ser superado. Mesmo assim, o grupo carioca Coldblood, que há tempos vem chamando atenção para o seu death metal furioso e divulga o ótimo "Indescribable Physiognomy of the Devil" (2016), entrou em cena com uma Clash ainda praticamente vazia.



O trio foi cativando cada um dos que chegavam com sua porrada sonora – na ocasião, amparados pelo excelente técnico de som, que deixou tudo ‘redondo’. Este era o primeiro show da tour que os cariocas estão fazendo com o Nervochaos –  a primeira parte foi com o Justabeli, que faria, em seguida, o seu último show na parceria. O set trouxe músicas de todas as fases, principalmente dos dois últimos trabalhos, "Chronology of Satanic Events" (2013) e "Indescribable Physiognomy of the Devil" (2016). Um dos destaques foi "Kristophobia", que tem seu começo cadenciado, quase “doom”, e descamba para a porrada. Entre os músicos, destaque para o baterista Markus "MKult" Coutinho, que desafiava os limites da velocidade e, com precisão cirúrgica, fez um belo trabalho ao lado de Diego "D.Arawnn" Mercadante (guitarra e vocal) e Raphael Gabrio (baixo).


 
O retumbante som de canhões e ‘metrancas’ de guerra, um prelúdio que anunciava a iminência do início da apresentação dos paulistas do Justabeli. Também com novo trampo na área, o EP "Blast the Defector" (2017), o trio vinha de uma longa turnê ao lado do Nervochaos, que chegava justamente neste show ao seu final, a vigésima quinta de uma série que veio subindo do Sul para o Sudeste do nosso país. Rafael Ferreira (bateria), Julio “Blasphemer” Pinheiro (guitarra) e War Pheris (baixo e voz) já começaram o show detonando, mostrando que a longa turnê deixou a banda mais afiada do que nunca. Mas, se o início foi interessante, a segunda metade foi avassaladora.



Para a execução de "Ad Bellum et Gloria" a banda chamou para o palco o vocalista Lauro Nightrealm do Nervochaos, e juntos foram responsáveis por um dos momentos de "ensandecimento geral" da noite, que ainda estava no começo. A sequência matadora com "Parabellum", "We Are the Elite" (dedicada aos fãs presentes no show), "Cause the War Never Ends..." e a derradeira "War Crime" deixou o público com o sangue quente, prontos para o holocausto que viria na sequência.


 
Era então a vez do Nervochaos uma das mais preparadas e respeitadas bandas do underground nacional dar o seu show. A empolgação, tanto da banda quanto do público, era visível e Lauro (guitarra e vocal), Thiago Anduscias (baixo), Cherry (guitarra) e Edu Lane (bateria) não decepcionariam. Devolvendo a gentileza anterior, Lauro chamou para o palco War Pheris e Blasphemer do Justabeli para a execução de "Ad Maiorem Satanae Gloriam", uma das melhores faixas do recente "Nyctophilia" (2017), que a banda vem divulgando.



A sequência veio com "The Urge to Feel Pain", do aclamado "Quarrel In Hell" (2006), disco que apresentou o Nervochaos para muitos de seus fãs. "Moloch Rise", outra do disco novo aqueceu os presentes, e a próxima música foi dedicada aos presentes, com Lauro fazendo uma boa sacada com o título da música: “essa fala sobre o verdadeiro espírito do underground, ela é para vocês, pois todos estamos aqui "For Passion Not Fashion”.



Desnecessário falar o quão bem esta faixa de "The Art Of Vengeance" (2014) foi recebida, então, a pauleira seguiu em frente, atingindo novo ápice em "Total Satan", de "Battalions of Hate" (2010), e "Mighty Justice", do debut, "Pay Back Time" (1998). Após o show ainda tivemos a chance de falar com Edu Lane, durante a passagem de som do Vital Remains, e ele comentou um pouco a extensa turnê do Nervochaos pelo Brasil, a maior da banda até o momento: “estamos trazendo a cultura que a gente vê na Europa e nos Estados Unidos, onde as bandas viajam de ônibus, e a gente consegue explorar realmente o nosso território... algo que já deveria ter acontecido, mas antes tarde do que nunca”, ele comemora.


 
O show do Vital Remains foi, seguramente, um dos espetáculos mais insanos que São Paulo teve a graça de comportar, e todos os presentes podem testemunhar isso. Insanidade total e sem limites, perpetrada principalmente pelo doidaço vocalista Brian Werner. Acompanhado pelo baixista Gator Collier, os guitarristas Dean Arnold e o lendário Tony Lazaro, e pelo baterista Eugene Ryabchenko, Werner adentrou o palco trajando uma camiseta onde se lia em letras garrafais a frase “I Kill Priests”, além de um cinto de onde pendiam ossos e demais utensílios de primeira grandeza metálica. O início apoteótico com a introdução "Where is Your God Now?", tradicional momento em que Werner incendeia pela primeira vez a sua Bíblia. Aqui não foi diferente, e na sequência a explosão causada por Icons of Evil precisaria ser estudada por especialistas em detonação, tamanho o impacto causado nos presentes.


 
Declarando que a banda costuma esperar um certo nível de selvageria em seus shows, conclamou um ‘circle pit’ em "Scorned", e, se você não esteve lá, acredite, o maluco participou dele, e não uma única vez na noite. “Vocês já estão cansados?”, perguntou o vocalista, para a eufórica negativa da plateia, “que bom, pois nós ainda tocamos apenas dois malditos sons”, ele gritou, enquanto Lazaro puxava adiante a insana "Savior to None... Failure to All...", do clássico "Dechristianize" (2003), disco que contou com os vocais de Glen Benton, do Deicide. “Isto aqui é um show de death metal, ou a porra de uma biblioteca?”, berrou Werner enquanto anunciava a nova "In a World Without God", faixa que estará no próximo disco, que deverá sair muito em breve. O nível de insanidade mais uma vez chegou ao extremo com o ‘wall of death’ ocorrido em "Hammer Down the Nails", e o clima ficou ainda mais denso com as palavras ao seu final: “não importa o gênero de metal que você ouve. Death, black, thrash, porra, pode ser até power metal. Vocês sabem, somos nós contra o mundo, nós contra o maldito pop de merda”, esbravejou antes de iniciar um dos maiores hinos da história do death metal, o clássico soberbo de 1997, "Forever Underground". Não houve quem não vibrasse como um insano... Além disso, não restou dúvida de como o Vital Remains soaria sem Dave Suzuki, pois estava claro que a banda estava mais enlouquecida e potente do que nunca!


 
O final com "Into Cold Darkness", dedicada aos fãs ‘old school’, e a clássica "Dechristianize", formaram um fim de noite perfeito, onde uma banda acima da média criou um espetáculo que nos transportou diretamente para a insanidade dos shows dos anos 80 e 90. O público saiu sorrindo, com alguns hematomas pelo corpo, mas com aquela sensação de que há muito tempo não tinha se divertido tanto assim. Não tínhamos mesmo. O Vital Remains elucidou o significado prático de um show de death metal. Que bom que prometeram voltar logo com o novo disco.




Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768